Liberdade.

Todos os textos publicados nesse blog são livres para serem copiados e reproduzidos.
Porque não existe outra pretensão em nossos escritos, que não seja expressar o nosso pensamento, nossa forma de ver e sentir o mundo, o Homem e a Vida.
Se você acreditar seja necessário e ético, favor indicar a origem e o Autor. Ficamos lhe devendo essa!
Um grande abraço.
Eduardo G. Souza e Lígia G. Souza.

domingo, 2 de outubro de 2016

COMUNISMO E LIBERDADE


A liberdade de informação, expressão e de imprensa está firmemente enraizada nas estruturas do pensamento democrático ocidental moderno. Com restrições limitadas, toda democracia capitalista tem disposições legais que protegem esses direitos. A Declaração dos Direitos Humanos das Nações Unidas, adotada pela Assembleia Geral em 1948, declara: "Toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e de expressão, este direito inclui a liberdade de ter opiniões sem interferência e de procurar, receber e transmitir informações e ideias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.”
Assim, a ética ocidental é frontalmente a favor dos direitos quase irrestritos a expressão, de imprensa e de informação.
Tais direitos podem amoldar-se para proteger a segurança do Estado a partir da perspectiva de Locke no contrato social.
(“Para bem compreender o poder político e derivá-lo de sua origem, devemos considerar um estado em que todos os homens se acham naturalmente, será este um estado de perfeita liberdade para ordenar-lhes as ações e regular-lhes as posses e as pessoas conforme acharem conveniente, dentro dos limites da lei da natureza, sem pedir permissão ou depender da vontade de qualquer outro homem.” - LOCKE, 1994).
A perspectiva categórica de Kant prevê uma sociedade em que todos podem falar livremente é muito melhor que uma em que ninguém pode falar livremente.
(Kant era ferrenho defensor da liberdade de expressão, fato que podemos constatar nos seus ideais filosóficos. Ele defendia três parâmetros fundamentais: a) - o pensar por si próprio, ou seja, pensar livre de preconceitos que limitam o pensamento; b) - o pensar sempre de acordo consigo próprio, isto é, ter coerência; c) - o pensar colocando-se no lugar do outro, este outro representa qualquer outro e, como tal, todos, simbolizando assim a Humanidade.
Ele afirma que a finitude do ser humano é sinal de liberdade, pois é livre o homem que tem consciência dos seus limites, das suas fronteiras.
Para Kant “… muitas vezes, quem é excessivamente rico de conhecimentos é muito menos esclarecido no uso dos mesmos...”, pois não tem consciência dos seus limites, sendo inconsciente e consequentemente não sendo livre [- Kant. Que significa orientar-se no pensamento?, 1786])
O Comunismo, como uma doutrina essencialmente sócio-política-econômica, e muito limitada sobre a questão dos direitos humanos individuais.
Duas posições conflitantes sobre essas liberdades surgem na análise da teoria comunista. A primeira é o principal argumento marxista contra as liberdades individuais: - Em uma sociedade comunista, os interesses individuais são subjugados aos interesses da sociedade. Assim, a ideia de uma liberdade individual é incompatível com a ideologia comunista. E a única razão que poderia existir para manter as liberdades de expressão e de informação (como direitos individuais), seria para melhorar a sociedade, então essa condição seria atendida apenas em certos casos e não por longo do tempo, apenas para satisfazer uma situação especial, e retornando-se logo ao padrão de ausência dessas liberdades.
A segunda é a ideia de igualdade perfeita. Teoricamente o comunismo defende o direito de expressão e de imprensa, uma vez que cada indivíduo é igualmente importante, cada um deve ter seus pontos de vista igualmente aceitos. Na verdade, Marx defendeu o direito de liberdade de imprensa, argumentando, em 1842, que as restrições, como a censura, foram instituídas pela elite burguesa. Ele alegou censura é um instrumento dos poderosos para oprimir os mais fracos. Mas, na prática, na implantação do regime comunista na Rússia, a imprensa passou a ser usada como um braço do partido comunista, e quando os primeiros questionamentos sobre a eficiência e eficácia do regime começaram a surgir, muitos jornalistas e editores terminaram seus dias nos gulags!
(Os Gulags eram campos de trabalho forçado da ex-União Soviética (URSS), criados após a Revolução Comunista de 1917 para abrigar criminosos e ‘inimigos’ do Estado. Gulag era uma sigla, em russo, para "Administração Central dos Campos", que se espalhavam por todo o país. Os maiores gulags ficavam em regiões geográficas quase inacessíveis e com condições climáticas extremas. A combinação de isolamento, frio intenso, trabalho pesado, alimentação mínima e condições sanitárias quase inexistentes elevavam as taxas de mortalidade entre os presos. Para se proteger da violência, alguns grupos de presos criaram códigos e leis internas que deram origem aos Vory v Zakone - a máfia russa. A quantidade de campos foi reduzida a partir de 1953, logo após a morte de Stálin - ditador que expandiu o sistema de gulags nos anos 30. Porém, os campos de trabalho forçado para presos políticos duram até hoje.)
De fato, a filosofia comunista favorecia as ideias de uma democracia constitucional, embora geralmente com apenas uma das partes. Antes e na criação de muitos países comunistas, o desejo de liberdade da opressão do proletariado pela burguesia, se expressou fortemente a favor das liberdades individuais de expressão, de dissidência e de informação. Mas a prática dos regimes tem se mostrado como mordaças que impedem a cada homem dizer o que pensa, escrever suas razões e publicar suas ideias. O fundamento que o partido é infalível e sempre age em benefício do povo, tem garantido ao governo comunista o direito de sufocar a voz e a pena daqueles que têm uma visão divergente da cúpula do partido.
Presidente Mao, querendo incentivar os chineses a se prepararem para a Segunda Guerra Mundial, mais de uma década antes ele proclamou "[as pessoas] devem submeter o partido no poder, a crítica severa, e pressionar e impeli-lo a desistir da ideia de ser de partido único, uma ditadura de classe, e agir de acordo com as opiniões das pessoas... A segunda questão diz respeito à liberdade de expressão, reunião e associação para o povo. Sem essas liberdades, não será possível realizar a reconstrução democrática do sistema político." Em 1945, mais perto ainda de sua tomada revolucionária do poder, Mao proclamou: "Dois princípios devem ser observados: (1) dizer tudo o que sabe e dizer sem reservas, (2) não responsabiliza o alto-falante, mas use suas palavras como uma advertência. O princípio "Não culpe o alto-falante" deve ser observado verdadeiramente e não falsamente, o resultado será: diga tudo o que sabe e diga sem reservas." O mais impressionante é o fato de que estas citações estão registradas em "As citações de Mao Tse-Tung", mais comumente conhecida como o Pequeno Livro Vermelho, uma verdadeira bíblia do comunismo chinês considerado infalível durante a vida de Mao. Em 1949, Mao Tsé-Tung foi aclamado como novo líder da República Popular da China. Durante décadas deteve poder absoluto sobre a vida de um quarto da população mundial. Inicialmente apoiado pelo governo comunista soviético, o governo comunista chinês criou um grande projeto de transformação político-econômico chamado Grande Salto para Frente. Pouco depois, em 1966, surgiu um programa de controle cultural, político e ideológico chamado de Revolução Cultural. Com a implantação da Revolução Cultural o partido comunista chinês passou a controlar ideologicamente os chineses e os meios de comunicações, muitos foram presos e mortos por seguirem exatamente as ideias de Mao antes de assumir o poder e transformar a China em um regime comunista.

- John Locke foi um filósofo inglês. Foi um dos líderes da doutrina filosófica conhecida como Empirismo e um dos ideólogos do Liberalismo e do Iluminismo.
- Immanuel Kant nasceu em Koenigsberg, na Prússia Oriental. O método de Immanuel Kant é a "crítica", isto é, a análise reflexiva. Consiste em remontar do conhecimento às condições que o tornam eventualmente legítimo. A teoria do conhecimento de Kant teve como objetivo justificar a possibilidade do conhecimento científico do século XVIII.
- Mao Tsé-Tung foi um político, teórico, líder comunista, ditador e revolucionário chinês.

Eduardo G. Souza
.




Nenhum comentário:

Postar um comentário